Lendo o blog

Queridos que nos acompanham,

Decidimos fazer deste um blog privado. Mas quem desejar ler e acompanhar nossos registros poderá fazê-lo. Se tiverem interesse, deixem um recadinho nos comentários ou nos enviem um e-mail para cadastrarmos o endereço, autorizando a visualização.

O blog permanecerá aberto ainda por uns dias, para que as pessoas tenham tempo de ler esta mensagem e solicitar o cadastro de leitura.

Muito obrigado.

Anúncios

Algumas coisas que têm que ser feitas

Por esses dias, tomei a iniciativa de acertar uma questão que estava mal resolvida pra mim, mas que não me afetava somente. Há atitudes que são difíceis de tomar, mas depois que o problema é resolvido, fica a pergunta: por que eu não fiz isso antes?

Estou muito feliz por isso, com uma sensação boa e leve, de paz. Eu e todos que estávamos envolvidos na questão merecemos isso. :)

Viva o diálogo, o respeito e a harmonia!

Dica de leitura (ou de culinária?)

Clica daqui, clica dali, acabei chegando a um post muito bacana do portal Ig. O título é Aprenda a fazer comida divertida para as crianças, e vale a visita, nem que seja só para se divertir com a criatividade de tantos lanchinhos legais.

Selecionei algumas fotos de sanduíches e outras ideias que achei muito bacanas – lá na matéria tem muito mais. Vou experimentar em casa. O Rafinha já fica feliz só com os desenhos ou palavras que escrevo com mel nas bolachas que ele come, imagina quando ele se deparar com um barco pirata no prato? :)

Diálogos alheios

Acabei de ouvir um menininho, que deve ter uns quatro anos e mora no prédio ao lado do nosso, dizer para sua mãe, depois de levar uma bronca:

– Você não sabe nada da minha vida!

– É, não sei é, não sei nada da sua vida.

– Não sabe mesmo, você não é eu.

Mas andam argumentando bem, essas crianças, hein? (:

(permanente primavera)

No meio disso tudo felizmente veio a primavera e você não pode imaginar que boa notícia é a primavera depois de um inverno longuíssimo. Logo que ela chegou passei uns dias meio boba, tomando qualquer sol que aparecia, farejando flor onde tivesse nascido. Uma das coisas que faço na Europa é mudar de estação.

Trecho de carta de Clarice Lispector – Berna, 23.06.47.

(só que eu agora não quero mudar de estação. nem nunca mais)

E eis que a leveza vai tomando conta de meus dias.

O outono chega e isso (também) me deixa feliz. 

Ainda tenho muitas cartas para escrever. Será que faço isso hoje? 

Será que retomo – pra valer – a academia? 

Foco, Daise, foco. 

(E alegrias pra todos os dias)